Informação Sindical

NOTA DE PESAR – Jorge Sampaio

NOTA DE PESAR

Jorge Sampaio

1939-2021

O Sindicato dos Funcionários Judiciais vem manifestar publicamente o mais profundo pesar pelo falecimento do ex-presidente Jorge Sampaio. 

Advogado de presos políticos e líder estudantil na crise académica de 1962. Faleceu um combatente corajoso, um humanista, um democrata de coração generoso, um exemplo de serviço público e de ética.

Faleceu um homem justo e bom, defensor acérrimo da democracia.

Endereçar à Família e aos Amigos as mais sinceras e sentidas condolências, próprias destes momentos de tristeza.

ATÉ SEMPRE PRESIDENTE!

Nota do Presidente do SFJ – Alteração no Secretariado Nacional

Agradecimento

A carreira de Oficial de Justiça tem servido de alfobre de recrutamento de muitos organismos da Administração Pública, o que muito diz sobre o valor e competência destes homens e mulheres que o MJ teima em não valorizar de forma adequada.

Mas também a nível internacional esse valor é reconhecido.

É com um misto de sentimentos que vos informo da alteração na composição do Secretariado Nacional, com a saída – imposta estatutariamente – do Secretário Geral José Alexandre Marinho da Silva que, no âmbito de um concurso internacional foi selecionado para desempenhar funções nas Nações Unidas / PNUD de São Tomé e Príncipe. Desejo-lhe os maiores sucessos nesta nova etapa profissional.

O Alexandre Silva irá continuar a colaborar connosco, designadamente na definição de um Estatuto profissional que dignifique e reconheça o valor dos OJs na administração da justiça em Portugal, citando um excerto da comunicação enviada:  “Por último quero deixar bem claro que estarei sempre ao dispor do SFJ, para o que entenderem e desejarem dos meus humildes préstimos.”

O cargo de Secretário Geral passa a ser desempenhado pela Sandra Gabriela Mota.

Nos termos dos estatutos entra também para o SN a Alexandra Lopes.

São mulheres combativas e com capacidades sobejamente reconhecidas, a quem saúdo nestas novas funções.

Estas recomposição do SN em nada muda o foco da nossa atuação:

Justiça para quem nela trabalha!

 

O Presidente do SFJ
António Marçal

Nota do Presidente do SFJ - Alteração no Secretariado Nacional

Informação Sindical – 02 de setembro de 2021

INEQUIVOCA MANIFESTAÇÃO DE DESCONTENTAMENTO

 

Poder-se-á afirmar de forma inequívoca que a adesão dos Funcionários Judiciais à greve realizada no dia 1 de setembro de 2021 foi ESMAGADORA!

Na maioria dos Tribunais e Serviços do Ministério Público a adesão foi de 100%, levando ao seu encerramento.

TODOS CONTRIBUÍRAM desde Trás-Os-Montes ao Algarve, do interior aos Açores e à Madeira.

Pelos dados que ao longo do dia de ontem nos foram chegando, o SFJ pode assegurar que a greve dos Funcionários Judiciais ultrapassou os 90%.

E, tal como se previu, pela importância da simbologia deste dia, tivemos ainda uma larga visibilidade nos meios de comunicação social através da divulgação de notícias sobre a greve em todos os meios de comunicação social, quer nacionais, quer regionais e locais, por todo o País.

Os Oficiais de Justiça deste país, com esta gigantesca manifestação, disseram BASTA!!!

BASTA de desrespeito por uma classe que é fundamental na engrenagem do funcionamento da justiça!

OS TRIBUNAIS ENCERRAM, PORQUE:

– Sem Oficiais de Justiça não há tramitação processual!

– Sem Oficiais de Justiça, não há esclarecimentos aos cidadãos!

– Sem Oficiais de Justiça, não há interlocutores entre os Advogados, os Juízes ou Magistrados do Ministério Público!

– Sem Oficiais de Justiça, não se realizam sessões de julgamento!

– Sem Oficiais de Justiça, não se realiza o serviço externo!

Ainda restam dúvidas da importância desta classe profissional na realização da justiça?

Temos mostrado a nossa resiliência, pois a luta tem sido árdua.

E, fica o aviso à Tutela, reiterando que queremos ser parte da solução e não do problema, mas, que só vamos parar a luta quando obtivermos o que merecemos e o que nos é devido:

1. A inclusão no vencimento do suplemento de recuperação processual, com efeitos a 1 de janeiro de 2021, ou seja, o pagamento do valor mensal nas 14 prestações anuais;

2. AS PROMOÇÕES – Com abertura de procedimento para acesso a todas as categorias cujos lugares se encontrem vagos: Escrivão e Técnico de Justiça Adjuntos, Escrivão de Direito, Técnico de Justiça Principal e Secretário de Justiça;

3. O preenchimento integral dos lugares vagos;

4. A regulamentação do acesso ao regime de pré-aposentação.

Estas quatro reivindicações não estão dependentes de qualquer alteração estatutária, podendo e devendo ser concretizadas no imediato e, em bom rigor, cumprem o que, em sede de Lei de Orçamento de Estado (quer o de 2020 quer o de 2021) o governo apresentou como regresso ao normal desenvolvimento e evolução das carreiras na administração pública e que o Parlamento aprovou.

*Por último, o SFJ quer deixar uma palavra de agradecimento a TODOS OS OFICIAIS DE JUSTIÇA deste país que contribuíram para o sucesso desta greve, apesar de todos os sacrifícios pessoais que isso acarreta.

UM BEM-HAJA COLEGAS!

UNIDOS SOMOS MAIS FORTES!

 

 Exigimos JUSTIÇA!

JUSTIÇA PARA QUEM NELA TRABALHA!

Informação Sindical – 02 de setembro de 2021

INFORMAÇÃO SINDICAL – 31 de agosto de 2021

GREVE NACIONAL 01/09/2021

 

O Sindicato dos Funcionários Judiciais decretou greve para o próximo dia 01 de Setembro de 2021.

Após uma “luta” jurídica, na senda das várias que o SFJ teve de realizar em defesa dos direitos dos trabalhadores, vencemos mais esta batalha cfr. IS de 13.08.2021, pelo que NÃO HÁ QUAISQUER SERVIÇOS MÍNIMOS na Greve.

Assim, não é necessário assegurar qualquer atividade / tramitação processual, mesmo as de processos de preso, primeiros interrogatórios de arguidos detidos, processos urgentes, etc…

Todas as greves são importantes, mas esta em particular está carregada de simbolismo, pois ocorre no dia comummente veiculado na imprensa como o dia do “Início do Ano Judicial”.

A Greve, entre outras reivindicações, visa exigir do Ministério da Justiça:

1. A inclusão no vencimento do suplemento de recuperação processual, com efeitos a 1 de janeiro de 2021, ou seja, o pagamento do valor mensal nas 14 prestações anuais;

2. PROMOÇÕES – A abertura de procedimento para acesso a todas as categorias cujos lugares se encontrem vagos: Escrivão e Técnico de Justiça Adjuntos, Escrivão de Direito, Técnico de Justiça Principal e Secretário de Justiça;

3. O preenchimento integral dos lugares vagos;

4. A regulamentação do acesso ao regime de pré-aposentação.

Estas quatro reivindicações não estão dependentes de qualquer alteração estatutária, podendo e devendo ser concretizadas no imediato e, em bom rigor, cumprem o que, em sede de Lei de Orçamento de Estado (quer o de 2020 quer o de 2021) o governo apresentou como regresso ao normal desenvolvimento e evolução das carreiras na administração pública e que o Parlamento aprovou.

Basta de trabalho Escravo, e ao ataque aos direitos consagrados no nosso Estatuto profissional, combatendo, nomeadamente, o trabalho gratuito, o congelamento das promoções, o congelamento das transferências com base em critérios pouco transparentes, o uso e abuso das recolocações transitórias.

Exigimos que se acabe com a exploração e o empobrecimento dos trabalhadores da Justiça, que sentem na pele, cada vez mais, a exclusão social através dos seus parcos salários, que não chegam para o aumento do custo de vida e com isso já existem reais situações de pobreza, nomeadamente nas grandes cidades e que leva a que não haja candidatos a ingressar – como se viu em 2019 na Comarca de Lisboa Oeste – bem como a fuga de um número cada vez maior de Oficiais de Justiça, para outras carreiras.

Seria bom, e o SFJ já o requereu, que a DGAJ divulgasse os números de saída de OJ para outras carreiras, bem como o número dos OJ admitidos nos últimos 10 anos que ainda se mantêm na carreira.

E isto apesar da posição, contra legem, da DGAJ no que toca ao regime de mobilidade intercarreiras, contrariando também a posição da Provedora de Justiça sobre o assunto.

Ainda resta alguma dúvida de que todos temos de lutar?

VAMOS ENCERRAR TODOS OS TRIBUNAIS E SERVIÇOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO.

CONTAMOS CONTIGO!

A RESILIÊNCIA QUE USAMOS NO NOSSO DIA-A-DIA PARA AGUENTAR TAIS CONDIÇÕES, TEM DE SER USADA TAMBÉM NA LUTA PELOS NOSSOS DIREITOS!

DESISTIR NUNCA!!!

O Ministério da Justiça, agride os seus trabalhadores negando-lhes justiça e com isso assume-se como travão na recuperação de que Portugal precisa!

Exigimos JUSTIÇA!

JUSTIÇA PARA QUEM NELA TRABALHA!

INFORMAÇÃO SINDICAL – 31 de agosto de 2021

INFORMAÇÃO SINDICAL – 24 DE AGOSTO DE 2021

MOVIMENTO ANUAL – JUNHO 2021

 

Os Tribunais Portugueses apresentam um deficit superior a mil Oficiais de Justiça, havendo já alguns serviços onde o número de Magistrados (Judiciais e do Ministério Público) é superior ao número de Funcionários.

Com a falta de preenchimento dos quadros, a não realização dos procedimentos de acesso às diversas categorias, e não pagamento de qualquer centavo pelo trabalho suplementar, o Ministério da Justiça tem cativado mais de 14 milhões de euros por ano à custa dos Oficiais de Justiça que abnegadamente e com brio profissional têm sustentado este sistema deficiente, em que nos exigem que cumpramos objetivos, tendo para tal, de trabalhar por nós e pelos mil Oficiais de Justiça que faltam.

É evidente que gerir recursos humanos nestas condições trás muitos amargos de boca a quem tem legítimas expectativas de ser movimentado, seja através de promoção, transferência ou transição.

Os Oficiais de Justiça deste país estão a ser vítimas de uma gestão danosa por parte da Tutela, ao verem os seus mais elementares direitos a serem coartados pela incompetência política
e administrativa dos responsáveis do MJ/DGAJ.

O Movimento Ordinário de 2021 é apenas um dos sinais dessa inércia incompetente, que a DGAJ tenta esconder, mas não consegue, impondo arbitrariamente limitações à mobilidade e, sobranceiramente, incumprindo as regras aprovadas na LOE que mandam que a AP siga o normal desenvolvimento das carreiras.

Recordamos que estão pendentes duas ações do SFJ relativas aos movimentos de 2019 e de 2020.

Em documento produzido pela DGAJ/MJ, é publicitado que até ao final da década mais de um terço dos OJ’s atingirá a idade de aposentação. O SFJ tem alertado que a redução de OJs será maior e ocorrerá mais rapidamente, se não forem alteradas as condições da carreira, desde logo ao nível de vencimentos.

Sem uma alteração ao nível dos vencimentos, desde logo de ingresso, não haverá interessados em concorrer, até porque sabem que terão de iniciar funções em áreas com um custo de vida superior à média nacional, como é o caso das 3 Comarcas de Lisboa.

Em relação ao Movimento Ordinário de 2021, o SFJ lembra aos seus associados, em particular a todos quantos se pronunciaram aquando da publicitação do projeto de movimento, que está disponível, através do seu Departamento Jurídico para ajudar os associados que o pretendam.

Esclarecemos que, os nossos sócios que se sintam lesados, têm os seguintes meios para agir:

Reclamação do ato administrativo para o autor do ato (Diretora Geral);

– Recurso hierárquico para o SEAJ (Secretário de Estado da Administração da Justiça;

– Ação Judicial de Massa.

Como acima dissemos, é por demais evidente, que sem novas admissões, a situação vai piorar, a realização da Justiça em Portugal está em causa, assim como os direitos dos seus trabalhadores.

E por isso mesmo, a par dos meios jurídicos indicados, o SFJ continuará a sua ação junto do poder político com vista a alterar esta situação, seja junto do Governo, seja junto das várias forças políticas na Assembleia da República.

  

A LUTA CONTINUA!

SÓ PERDE QUEM DESISTE DE LUTAR!

JUNTOS CONSEGUIREMOS!

INFORMAÇÃO SINDICAL - 24 DE AGOSTO DE 2021