Comunicados

Nota - Uso Obrigatório de Máscaras

O Sindicato dos Funcionários de Justiça, defendeu, desde o primeiro momento, que a máscara seria de uso obrigatório nos locais de Trabalho.

Depois de muitas batalharmos (junto da DGAJ / MJ / DGS) ficou consagrado que é obrigatório o uso de máscaras no local de Trabalho.

Tenha-se em atenção que apesar do que consta do artigo 13º B do DL 10-A/2020 - in Diário da República n.º 52/2020, 1º Suplemento, Série I de 2020-03-13 / Decreto n.º 9/2020 – in Diário da República n.º 227-A/2020, Série I de 2020-11-21 e numa visão mais atualista e de salvaguarda, o legislador veio, através da Lei n.º 62-A/2020, de 27 de outubro, impor a obrigatoriedade do uso de máscara em espaços públicos, o que por maioria de razão se deve aplicar em edifícios e espaços fechados, nomeadamente Tribunais e Serviços do Ministério Público.

Não é máscara ou viseira: é Máscara.

Só o uso de máscara (provado cientificamente) poderá mitigar os efeitos na transmissibilidade do vírus SARS-CoV2 (COVID-19 é a doença que é provocada pela infeção pelo vírus).

Assim, apelamos a todos os Oficiais de Justiça que solicitem duas máscaras por dia, tendo em consideração que as mesmas devem ser substituídas, por uma nova, de quatro em quatro horas.

Na eventualidade de se encontrarem húmidas deverão ser substituídas de imediato.

USA SEMPRE MÁSCARA - Pela tua Saúde, Pela nossa, Pela de todos!

 

 

Informação Sindical – 27 de Janeiro de 2021

VACINAS – COVID19

Funcionários de Justiça fora do grupo de prioritários para as vacinas ameaçam paralisar tribunais: “Invoco o direito à vida”

O Sindicato dos Funcionários de Justiça, foi confrontado com o Despacho do Sr. Primeiro Ministro “Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro: Despacho n.º 1090-D/2021: Solicita às entidades competentes a indicação de prioridades na vacinação contra a COVID-19, relativamente às pessoas que asseguram serviços essenciais nos respetivos órgãos  ” que, entre outros profissionais, considera que os Magistrados Judiciais e do Ministério Público devem ser vacinados.

Estranhamente, ou não, os Oficiais de Justiça e os Funcionários de Justiça não constam do mencionado despacho.

Mais uma vez informamos todos os nossos concidadão, Governo e Parlamento, que os Oficiais de Justiça são muitas vezes, e em muitos Tribunais e Serviços do Ministério Público, os únicos que se encontram fisicamente nos Tribunais e Serviços do Ministério Público, encontrando-se os restantes profissionais em casa, em Teletrabalho.

Sem o enorme esforço, abnegação, coragem e sentido de dever público dos Oficiais de Justiça e Funcionários de Justiça, há muito que o sistema de justiça já tinha colapsado.

Infelizmente o Governo, o Ministério da Justiça e a DGAJ, têm menosprezado os Oficiais de Justiça e os Funcionários de Justiça, em diversas matérias. E o mais caricato, ou não, têm-se comprometido, não só com o SFJ, mas perante a Assembleia da República em solucionar, entre outras, as matérias referentes ao Estatuto socioprofissional, integração do suplemento remuneratório, regime específico referente à aposentação (para compensar o trabalho efectuado para além do horário que diariamente milhares de oficiais de justiça realizam, sem qualquer remuneração ou compensação) e até à presenta data não resolveram nada.

Não brinquem com a saúde dos Oficiais de Justiça / Funcionários de Justiça e seus familiares, bem como de todos os utentes, nossos concidadãos que têm de se deslocar aos Tribunais e Serviços do Ministério Público.

Ontem mesmo o Sindicato dos Funcionários Judiciais, expôs a situação publicamente in Expresso onlineSe não formos incluídos vamos para a greve”, diz António Marçal, presidente do sindicato que representa os funcionários judiciais” –.

Fomos contactados (27.01.2021) pelo Presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses, Desembargador Ramos Soares que nos manifestou a sua solidariedade e da ASJP, relativamente à vacinação de Oficiais de Justiça.

Mais referiu que comunicou ao gabinete da Ex.ma Srª. Ministra da Justiça, que os Oficiais de Justiça deviam constar do elenco de funcionários a vacinar, no âmbito do Despacho n.º 1090-D/2021 acima mencionado

O SFJ está e estará nesta luta sem tréguas.

A Luta Continua!

Juntos, conseguiremos!

Versão de Impressão

Nota de pesar

É com enorme pesar que comunicamos o falecimento da nossa sócia aposentada e esposa do ex-dirigente sindical Carlos Nhicas Candeias

Apresentamos as nossas condolências à família.

NOTA – 21.01.2021

TRIBUNAIS EM RUPTURA

COVID19 – SARS-CoV-2

SFJ – Solicitou ao Parlamento e ao Primeiro Ministro a Suspensão dos Prazos

Nestes últimos dias enviámos, de novo, ofícios ao Primeiro Ministro, Ministra da Justiça e SEAJ, ao Parlamento e aos Grupos Parlamentares, com conhecimento ao Presidente da República, e também ao CSM, CSTAF e PGR, nos quais, p.e. solicitámos ao Presidente da Assembleia da República a intervenção urgente do Parlamento para que proceda à prolação de ato legislativo para a suspensão de prazos, ficando apenas a decorrer aqueles que, pela sua natureza, revistam carácter urgente nos termos da Constituição e da Lei.

Através da IS de 20.01.2020, demos nota que temos trabalhado incessantemente na defesa dos Funcionários de Justiça / Oficiais de Justiça, alertando o Ministério da Justiça, DGAJ, Conselhos Superiores, Administradores Judiciários, DGS, Presidente da República, Primeiro-Ministro, Assembleia da República e Grupos Parlamentares (cfr. Entre outras as as IS de 14.03.2020 / IS 17.03.2020 / IS 07.04.2020 / IS 08.04.2020 / IS 14.04.2020, IS 30.04.2020 / Nota de 07.05.2020 / IS 18.05.2020, IS 22.05.2020, Nota de 26.05.2020, ver mais informação aqui SFJ_COVID19), de que é necessário que se adotem medidas que garantam o distanciamento social e laboral (2 metros), o Teletrabalho, a Jornada Contínua e o trabalho em “espelho”.

Registamos com agrado que esta nossa posição tenha sido acompanhada pelo SMMP e pela ASJP e amplamente divulgada na Comunicação Social, pelo que aguardamos a qualquer momento que seja aprovado o respetivo ato legislativo que consubstancie o pedido que efetuamos para que os prazos processuais sejam suspensos.

 

Consulte aqui a resposta da Assembleia da Republica. 

Informação Sindical – 20.01.2021

TRIBUNAIS EM RUPTURA

COVID19 – SARS-CoV-2

 

Para que não restem dúvidas, o SFJ tem vindo, ao longo do tempo e de forma persistente, a alertar o Ministério da Justiça, DGAJ, Conselhos Superiores, Administradores Judiciários, DGS, Presidente da República, Primeiro-Ministro, Assembleia da República e Grupos Parlamentares (cfr. Entre outras as IS de 14.03.2020 / IS 17.03.2020 / IS 07.04.2020 / IS 08.04.2020 / IS 14.04.2020, IS 30.04.2020 / Nota de 07.05.2020 / IS 18.05.2020, IS 22.05.2020, Nota de 26.05.2020, ver mais informação aqui SFJ_COVID19), de que é necessário que se adotem medidas que garantam o distanciamento social e laboral (2 metros), o Teletrabalho, a Jornada Contínua e o trabalho em “espelho”.

Fomos os primeiros, e talvez os únicos, na fase inicial da pandemia, a exigir que fosse obrigatório o uso de máscaras e só passados muitos meses é que esta obrigatoriedade viu a luz do dia. Foi o SFJ que distribuiu milhares de máscaras aos seus associados para que os mesmos ficassem mais protegidos, porque alguns, com responsabilidades acrescidas na Administração e na Gestão, com ideias peregrinas à época, achavam que bastava a viseira ou a máscara. Enfim….

 Têm sido inúmeros os casos de contaminação de Oficiais de Justiça e Funcionários de Justiça, o que não é de estranhar, uma vez que são estes profissionais que estão na linha da frente desta “Guerra sem trincheiras” sendo, muitas vezes, os únicos que se encontram fisicamente nos edifícios dos Tribunais e Serviços do Ministério Público, colocando a sua vida e a dos seus familiares em risco em prol dos direitos constitucionais dos nossos concidadãos.

Depois de uma primeira fase (março a setembro), nomeadamente nos meses de março a junho/2020, constatou-se algum desnorte na atuação concertada e bem delineada entre as vinte e três Comarcas, verificando-se a implementação de procedimentos díspares no que concerne a contágio de algum profissional, sendo que alguns dirigentes / decisores encerram os edifícios dos Tribunais, e bem, e outros delimitam apenas e só o local de trabalho (secção / unidade orgânica) onde o Oficial de Justiça desempenhava funções.

Nas últimas semanas têm sido reportados inúmeros casos de contágio de Funcionários de Justiça em contexto laboral nos Tribunais e Serviços do Ministério Público, num número já tão elevado que nos dispensamos de elencar. Sendo que se verificaram encerramentos globais de serviços por estes não terem reforçado o teletrabalho, a jornada contínua e o trabalho em “espelho”.

Dos inúmeros casos de infeção nos Tribunais e Serviços do Ministério Público, permita-se-nos dar, a título de exemplo, o caso do DIAP de Coimbra:

Neste DIAP, com 3 secções de processos e 1 secção central, prestam serviço 27 oficiais de justiça e 17 magistrados. Ontem, terça-feira, estavam infetados 7 oficiais de justiça e 4 magistrados, estando 18 oficiais de justiça em isolamento por ordem da Autoridade de Saúde. Foi ordenado regresso ao serviço presencial de oficial de justiça em teletrabalho por ser de grupo de risco e requisitados trabalhadores ao Tribunal de Execução de Penas de Coimbra e ao DIAP da Figueira da Foz.

Na defesa da Saúde de todos e de cada um, o SFJ tem, desde o primeiro momento, feito intervenções nos locais de trabalho alertando para a necessidade de se implementar o Teletrabalho e a Jornada Contínua para garantir que os Tribunais e Serviços do Ministério Público não encerrem, em virtude de todos os Oficiais de Justiça terem ficado em isolamento profilático ou em quarentena.

Nestes últimos dias enviámos, de novo, ofícios  ao Primeiro Ministro, Ministra da Justiça e SEAJ,  ao Parlamento e aos Grupos Parlamentares, com conhecimento ao Presidente da República, e também ao CSM, CSTAF e PGR,  nos quais, p.e. solicitámos ao Presidente da Assembleia da República  a intervenção urgente do Parlamento para que proceda à prolação de ato legislativo para a suspensão de prazos, ficando apenas a decorrer aqueles que, pela sua natureza, revistam carácter urgente nos termos da Constituição e da Lei.

A Luta Continua!

Juntos, conseguiremos!

Versão de Impressão